TESOUROS, a eterna confusão…

Olá colegas do RPG,

Resolvi criar este post para discutirmos sobre o eterno problema dos mestres que regulam ítens mágicos e dos jogadores que sempre acham que estão com poucos ítens mágicos.

1º) A regra básica: gostaria de identificar um texto da Wizard, retirado do Character Builder, no qual identifica a quantidade de ítens que os personagens devem possuir:

Bem, pelo que está esposto, um personagem deve possuir, caso seja criado acima do nível 1, um ítem do nível acima, um ítem do nível dele, um ítem do nível abaixo e valor em dinheiro igual ao valor do ítem abaixo, para comprar ítens de outros níveis inferiores.

2º) A Matemática do Negócio: Estive pensando sobre a necessidade dos ítens mágicos básicos: Armas e Armaduras, e verifiquei que a Wizard tomou cuidado matemático para manter o jogo equilibrado em todos os níveis. Os monstros possuem uma progressão fixa de +1 no ataque e nas defesas a cada nível (VER TABELA) o que faz com que, para que o jogo seja equilibrado entre mestre e jogadores, os personagens também deverão receber +1 no ataque e defesas a cada nível.

Ocorre que os personagens somam metade do nível no ataque e nas defesas, e imaginando-se que até o nível 30 teremos 29 aumentos de nível, os jogadores estariam 14 aumentos atrás dos monstros que pretendem destruir. Então, como poderiam os jogadores conseguir retirar estes 14 pontos de diferença? Resposta: Aumentos de Nível, Talentos e Ítens Mágicos.

Aumentos de Nível: Os personagens ganham um aumento em dois atrributos nos níveis 4, 8, 14, 18, 24, 28 e um aumento em todos os atributos nos níveis 10 e 20, o que cria um bônus de + 4 nos atributos base dos personagens, gerando assim +4 de ataque e +4 nas defesas daqueles que utilizam alguma habilidade na CA. Existem ainda as armaduras de qualidade especiais que fornecem mais bônus para a defesa, sendo que as leves aumentam até +2 e as pesadas aumentam até +6. Vejam que incrível: Os personagens que usam armadura leve ganham +4 de aumento de habilidade e +2 de qualidade, total= +6, enquanto que  os personagens que usam armadura pesada e não somam a habilidade na CA chegam a ganhar +6 pelo nível de qualidade da armadura pesada.

Aumento de Nível no Ataque= +4

Aumento de Nível na CA (com melhoria de armadura)= +6

Talento: um talento básico e necessário para todos os jogadores é o Weapon Expertise, que dá até +3 de bônus no ataque. Existem também talentos que dão bônus nas defesas, sendo que na CA normalmente é de +2.

Aumento de Nível no Ataque: +3

Aumento de Nível na Defesa: +2

Ítem Mágico: Os ítens mágicos chegam a fornecer +6 tanto no ataque quanto na defesa, ou seja, espera-se que a cada 5 níveis os personagens tenham pelo menos o aumento de um nível mágico tanto no ataque quanto a defesa.

Aumento no Ataque e na Defesa: +6

Portanto:

Ataque: Aumento de Nível +4; Talento: +3; Ítem Mágico: +6; 1/2 nível +15 = 28 aumentos no ataque dos personagens em 30 níveis contra os 29 aumentos das defesas dos Monstros nos mesmos 30 níveis. Este último número de diferença acaba sendo subtraído por peculiaridades de cada classe, como o Meele training do Guerreiro, os implementos de prescisão dos arcanos e a habiliade com adagas dos ladinos, e assim nas outras classes, que normalmente dão +1 no ataque.

Defesas: Aumento de Nível (Com qualidade das armaduras): +6; Talento: +2; Ítem Mágico: +6; 1/2 nível +15: 29 aumentos de nível defesas contra 29 níveis de aumento dos ataques dos monstros.

ISSO É MATEMÁTICA!!!

3º Parcelas de Tesouro: Existe também no livro do mestre uma tabela na qual indica as parcelas de tesouro a serem ganhas pelos aventureiros. Há de se notar que os tesouros são divididos em 10 parcelas, ou seja, há cada 10% de xp ganha pelos personagens, do necessários para ganhar um novo nível, os mesmos deveriam ser recompensado com uma das parcelas. É claro que em combate contra ladrões ou animais selvagens os jogadores não encontrariam ítens ou apenas alguns de pouco valor, mas eles acabariam encontrando um covil de algum bruxo ou dragão no qual aquelas parcelas de tesouro seriam compensadas.

Vejamos a tabela abaixo:

Eu sinceramente gostaria de saber que mestre presenteou seus jogadores de primeiro nível com um ítem mágico de nível 5, ou seja, quatro níveis acima do nível do grupo, além de mim, já que os artefatos de Iond era do nível do usuário +4. E isto deveria ocorrer em todos os níveis, ou seja, pelo menos um jogadore receber um ítem de 4 níveis acima do nível do grupo, e havendo o rodízio dos premiados em um grupo de 5 jogadores, um jogador que no 1º nível que recebeu um ítem de nível 5, quando o mesmo chegar no nível 6 ele receberá novamente um ítem 4 níveis acima do nível dele, ou seja, do nível 10. Vejam como o sistema é fechado: uma armadura com poder especial de nível 5 tem bônus de defesa +1 e uma armadura com o mesmo poder especial de nível 10 tem um bônus de defesa +2, já que o jogador avançou 5 níveis e necessita de um aumento mágico na sua CA para resistir igualmente aos monstros mais poderosos que passará a enfrentar.

4º Escolha dos Ítens adquiridos pelos jogadores: É lógico que quem decide sobre os ítens é o mestre, mas a premiação do grupo com um ítem que não funcione bem com as trilhas escolhidas pelos jogadores, acabará ocorrendo a venda do ítem  para geração de dinheiro para a compra de um ítem que seja utilizável pelo grupo. Um forma de equilibrar tal questão também foi prevista pelos wizardianos, veja a seguir:

A solução encontrada pelos criadores do jogo é chamada de LISTA DOS DESEJOS, ou seja, cada jogador, no início do nível, escolhe ítens que gostaria de receber com ítens de até quatro níveis superior ao seu próprio nível e então fica a cargo do mestre distribuir os ítens aos jogadores. Inclusive tais listas poderão facilitar os mestres em criar aventuras ou side quests.

5º A lógica do mundo da fantasia: Pensem comigo, por favor. Um mago de criação de ítens mágicos está em sua oficina e ele encontra-se pensando que ítem mágico ele irá criar. Ele pensa…pensa… pensa, e chega a conclusão que ele poderia criar as Havaianas do Shift, que dão habilidade de um usuário dar um passo de ajuste com uma ação de movimento, ou então ele poderia criar um Iron Armband of Power, um ítem que dá +2 de dano em ataques corpo-a-corpo. Ele sabe que ninguém vai querer comprar as havaianas, já que é um ítem inútil, e que qualquer guerreiro do universo compraria os braceletes do poder. Ele então pensa…pensa… pensa… e resolve fazer as havaianas para que elas fiquem até o final dos tempos quardada em seu estoque.

TEM LÓGICA???

É claro que um mago que ganhe a vida produzindo ítens mágico dará prioridade em fazer aqueles ítens que possuem uma grande procura,  isso é a lei da demanda. Qualquer grupo de ladrões teria um calçado que melhora sua furtividade e em meio de vários guerreira, alguns teria braceletes do poder. Mas os mestre devem se lembrar que se o monstro for realmente ganhar os bônus das armas utilizadas, o nível dele deve subir, já que os monstros já ganham os bônus de CA, Ataque e Dano quando sobem de nível.

6º Acho que é o último: No grupo que eu mestro, eu procuro abastecer constantemente os personagens com ítens ou pelo menos dinheiro para a compra dos mesmos. Eu fui o único mestre que presenteei, totalmente de graça, o grupo com um ítem inteligente (aquela armadura que estava na árvore e que ninguém quiz usar apesar de eu falar que era mágica e não maligna). Quando os personagens chegaram no nível paragon, eu pedi a lista de ítens e nivelei os valores dos ítens do jogadores como manda o figurino. Vocês até possuem ítens sem nenhum poder mágico e que estão guardando com a presilha de flechas do Flávio, o qual acredito que custa 500 po (mais do que um ítem de nível 1) ou então a garrafa de whisky que tem valor de 3000 po’s (um ítem de nível 7,5). O Mendes ficou preocupado em perder a espada, para a qual ele havia pegado talentos especiais, e eu deixei a espada com ele.

PÃO-DURISSE COM ÍTEM MÁGICO É FODA!!!!

Anúncios

4 thoughts on “TESOUROS, a eterna confusão…

  1. nss… por isso q eu gosto do David. Ele mata a cobra e mostra o pau…

    itens mágicos para o povo!

    obs.1: eu, qdo mestre, faço o rolo os itens mágicos certinho.

    obs.2: blog batendo recordes de visita e de quilometragem de posts…

  2. Bom, Davizão, que existe uma matemática por trás dos itens e os PJs devem receber um certo tanto a cada nível pro jogo ficar equilibrado nos termos da wizards, isso é inegável.
    Mas, coisa que eu nem faço, só venho posicionar na discussão por raciocínio, na mesma maneira que nós mestres tendemos a dificultar encontros (em relação ao padrão wizards), não seria de se estranhar se dessemos poucos itens. Talvez esse seja um fator agravante no grupo do Rafa, mas no geral os mestres gostam de dar item pelo flavor, e pra alegrar os PJs, além do lado funcional e matemático.
    Fora tudo isso que eu falei, existe a questão de ”quais itens” os PJs vão receber. A discussão deixa de ser quantitativa para ser qualitativa. Eu, como mestre, decidi arbitrar a distribuição de itens por 2 motivos: manter equilíbrio (leia-se tbm evitar combismos) e manter a ambientação de um mundo em que vc não tropeça em itens mágicos, vc tem que se enfurnar em uma dungeon, matar monstros letais, coisa que vc conhece pouquíssimos que faria além dos seus companheiros, e enfim, arriscar sua vida, que é difícil de matar, mas vcs são fodas, pra encontrar um item único, ou quase…que se tem mais de um no mundo, ele com ctz não é feito em série numa fábrica de gnomos, ou por um artíficie que todo dia cria um item mágico. Portanto, vc não vai encontrar a luva da força ogra em qualquer quitanda em qualquer cidade. O mercante anão vai ter uma bota da queda livre, e talvez uma capa da resistência. Talvez outro tenha sua luva da força ogra, mas não o 1o que vc encontrar. Além do que, seria mais legal, e me motivaria mais fornecer o item, se vc disser que ouviu uma lenda sobre uma luva que dá a força de um ogro na cidade de onde veio, e que ela teria sido perdida pelo herói Feldin Blackteeth em uma masmorra armadilha de um mago de épocas antigas, tomada por sahuagins. Ou pelo menos, a tal lista de presentes de natal, com poucos itens, que vc tem ctz que quer muito…pq aí eu não vejo mal em encaixar aos poucos nas aventuras (mas não na exata hora em que vc quiser)
    É o que eu disse na última sessão do grupo de Tethyr: se vc quer uma luva ogra, e encontra uma bota que reduz o dano de queda, vc, personagem, vai achar ela o máximo!
    Concluindo, não sei pq tanta indignação, é a penas um curso qualitativo que cada mestre pode escolher, passível de opinião, para melhor ambientar a campanha. A quantidade de item até pode faltar, e se não falta, a livre escolha pode faltar, existem motivos que subsidiam isso
    Sem intenção de ofensa nenhuma, apenas manifestando minha visão sobre o assunto…
    Abraço

  3. Bom…não li tudo…nem vou ler tão cedo…
    to postando porque também sou mestre e, aparentemente , é no meu grupo que ta a treta.

    1 – Os personagens devem receber itens mágicos??
    Resposta:Siiiiiiim, Silvioooooooooo…

    2- Os personagens devem receber os itens mágicos que ELES querem, para combare, investirem e já shiftarem, na mesma rodada fazer um ataque em área, investir denovo, derrubar o inimigo, pular na cabeça do próximo, plantar uma mina C4, sacar uma arma como ação livre, perfurar o olho do inimigo mais distante com uma shuriken e no final do turno fazer uma dança sexy???
    Resposa: ….. ahn….. oi?

    Bom…. o mundo não é um catálogo de itens mágicos, e isso nem deve existir.
    Se estamos falando em NIVELAR o jogo, PRESTEM ATENÇÃO AMIGUINHOS:

    ITENS COMBADOS VÃO DESNIVELAR O JOGO. VÃO TORNAR OS PJS DE VOCÊS COMBISTAS ( SIM, DAVID, VOCÊ ESTÁ AQUI) E , POR FINAL, FICAR MUITO MAIS FORTES QUE OS MONSTROS.
    iTENS MÁGICOS , SIM.
    OS ITENS QUE VOCÊS QUEREM PRA FAZER A BUILD QUE VOCES QUERE, PRA COMBAR COM O QUE VCS QUEREM, NÃO.

    é justo voces comprarem, ou até mesmo fazer uma busca pelo item. Voces fazem a lista, mas nao vao ganhar tao facilmente, como presente.
    Vocês podem ter noticias sobre o item desejado e buscá-lo, procurar no covil de um dragão…esse tipo de coisa..

    cansei de escrever….prefiro conversar..
    vamos resolver isso em um debate pré ou pós seçao de rpg, por favor..

  4. Olá, volto a postar trazendo uma nova idéia:

    O pessoal da Wizard pensou que existiram realmente Mestres e mundo onde os ítens mágicos realmente são raros e não é qualquer espelunca da esquina que venderia tais tipo de ítens. Para rezolver tal problema a Wizard investou o BONUS INERENTE, que vem a ser bônus recebidos a cada quantidade de níveis para substituir a utilização de ítens mágicos e resolver todo aquele problema da diferença dos bônus dos monstros e dos jogadores sem que estes últimos dependessem de vários ítens mágicos.
    Assim, os personagens manteria suas capacidades de ataque e defesa e os ítens serviriam apenas para as outras características, como por exemplo poderes diários ou efetos das propriedade.
    Ex.: Um personagem de nível 11 que deveria usar armas, armadura e colar +3, passa a receber este bônus de forma inerente, ou seja, sem a necessidade de ítens mágicos, e caso ele consiga uma espada flamejante +1, a única mudança que ocorreria seria que ele poderia transformar o dano em dano de fogo e uma vez por dia dar 1d6 a mais de dano com a espada. Com os bônus inerentes, o +1 da espada flamejante não soma nem no ataque e nem no dano, mas ela ainda é uma espada flamejante que uma vez por dia pode aumentar o dano em um ataque e transformar o ataque em flamejante.
    Utilizando-se a forma de bônus inerente, os personagens não ficam defasados com relação aos monstros e os ítens passam realmente a ser objetos maravilhosos e raros. Dessa forma os tesouros fornecidos não precisariam ser tão grandes, já que não haveria a necessidade de compra de ítens mágicos. Os ítens poderiam realmente ser escolidos livremente pelo mestre e qualquer ítem, até as havaianas do shift, seriam considerados bons e necessários aos personagens.
    O Dragão Branco Adulto Krionar, poderia ter em seu tesouro apenas uma espada elétrica +2 e Um Cinturão de Espinhos, pois os personagens não necessitam dos bônus dos ítens para acertar ou se defender dos monstros.
    Se assim fosse, o GULOK, por exemplo, poderia ter somente uma armadura anã +1, encontrada naquela cachoeira do mal com 1000 Kobold’s, e o Teraban+1, encontrado na Tumba do Lamarden, ítens que ficariam com ele até o nível épico, tranquiliamente, e sem desequilibrar o personagem com os monstros, e além do mais, ele sempre se lembraria de que cada ítem foi uma busca na qual sua vida esteve constantemente em risco.
    Fica a idéia!!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s