Conta do Insider

Amigos Rpgistas…

resolvi colocar a questão no blogg para ser discutida. Isto porque sempre que estamos jogando, nos preocupamos mais em jogar do que com qualquer outra coisa. Então lá vai:

Todos sabem que o Zé Kroll assinou por um ano a conta do Insider

e ele está disposto a dividir conosco. Eu acho uma ótima possibilidade porque:

– não é justo que ele arque com os custos sozinho e todos se beneficiem;

– acho idiota cada um ter uma conta em separado visto que a conta permite mais de um usuário (4 ou 5);

– o custo já não é alto, e fica ainda mais em conta se dividirmos em 2, 3… até 5 se for possível.

 

Assim, peço que todos os interessados manifestem-se a respeito, inclusive o próprio Kroll, e desde já manifesto no sentido de ser favorável a dividir com ele a conta, nem que seja só entre ele e eu.

 

Posta aí, negada

(obs.: rpg no fds? será?)

Anúncios

Conto do Último Encontro (13/03/11)

Espada Bélica - Símbolo do Exército de ImpilturEspada Bélica – Símbolo do Exército de Impiltur

 

Os aventureiros continuaram a campanha e identificaram que o círculo de teleporte era de “mão única” e levava até o subterrâneo das Ruínas de Guecumar, uma cidade abandonada há anos e que era guardada pelo Clã Creel, um dos mais emergentes de Narfell. enquanto discutiam se entrariam ou não no círculo, ouviram uma criatura se aproximando, em direção do círculo de teleporte, com a chegada do mesmo perceberam que era um humano, em plena modificação corporal para um demônio e então iniciaram a batalha com a criatura. Durante o combate o bárbaro, que rastreava a criatura, chega investindo e com o auxílio de todos, a criatura, que aumentava de tamanho durante o combate, é destruída.

O bárbaro então conta que ficara sabendo que pessoas estava desaparecendo em New Sarshel e que algo de estranho poderia estar ocorrendo em uma torre abandonada. Ele então ficou de prontidão na cidade e acabou por encontrar um homem o qual carregava um grande saco com algo pesado dentro, grande o suficiente para caber uma pessoa. Tal homem entrou na torre e cerca de uma hora depois, quando saiu, já estava modificado, com olhos vermelhos e com a musculatura rompendo sua pele. Seguiu a criatura pela floresta, e acabou chegando no círculo onde reencontrou seus companheiros. O grupo então resolveu por investigar a torre e retornou a New Sarshel, sendo que encontraram a torre vazia e no alto da mesma uma pedra altar com uma pedra púlpito, das quais emanava energia divina. Depois de alguns rituais mágicos e estudos sobre as pedras, perceberam que a forma de acionar o sistema seria através de um sacrifício, o qual, (acreditem!) depois de alguma discussão, foi descartado. O Paladino Caótico então resolveu por profanar aquele local destruíndo o altar e a pedra púlpito, depois de ter tentado consagrá-lo, sem sucesso.

Voltando para o círculo, os aventureiros resolveram por entrar no mesmo e saíram no fundo de uma caverna e seguindo adiante por um corredor onde encontraram um salão amplo no qual travaram combate com vários demônios que lá estavam, de raças e tamanhos diferentes, dentre eles o Wendigo fujão, além de uma bruxa Tiefling. Ponto para o Demônio de Espinhos e sua habilidade de Dominação em Massa.

Depois de muito sangue demoníaco derramado, os aventureiros continuaram explorando o local e encontraram a parte subterrânea da cidade de Guecumar, a qual estava abandonada. Subindo para o nível superior, encontraram as ruínas da cidade e durante a exploração perceberam que havia guardas bárbaros ao redor da cidade, logo depois de uma baixa mureta que circundava o local. Os aventureiros passaram então a decidir o que fariam e apesar do Bardo ter a brilhante idéia de tentarem sair sem serem percebidos pelos guardas, o Paladino resolveu por ir conversar com os guardas e dizer que eles haviam matado os demônios que habitavam o subsolo. Quando foram avistados pelos guardas, o Paladino apresentou-se como servo de Kord, dizendo que queria conversar. Os guardas, ao perceberem a invasão não autorizada do local para o qual foram postos para guardar com a própria vida, mandaram que o paladino se desarmasse, além de chamarem por reforços. O Paldino então pega a cabeça decaptada do Wendigo e a exibe no alto, desobedecendo a ordem da guarda, e então os bárbaros entraram na cidade proibida e vão em direção dos aventureiros, mandando que se rendam. Novamente desatendendo à ordem, os aventureiros armam-se e o nosso mago arremessa uma bola de fogo contra os guardas da tribo Creel, iniciando um combate que ficou para a próxima sessão.

Conto do último encontro – Carnanerd

Olá Colegas Nerd’s

Em nosso último encontro, em pleno sábado de carnaval, novamente nos reunimos para a continuação das aventuras do “gruposemnomequeveiodeoutradimensãosobasgraçasdadeusadasabedoriaesalvou- narfelldainvasãoimpilturiana”.

Pois bem, após a chegada do transporte para os aventureiros, propiciada pela Espada Bélica, nome da patrulha de fronteira de Impiltur, uma águia gigante, todos foram levados até a cidade de New Sarshel, onde ficaram por boa parte da tarde, até que o Grande Conselho fosse reunido. Foram então recebidos no conselho, onde conheceram o Lord Behroun, chefe da família Marhana, o qual tinha a clara impressão de estar morto, apesar de estar vivo. Chegaram á conclusão de que vestes mágicas, com fortes emanações necromânicas, “certamente criada com o sangue de centenas de virgens” (hauahauahauh), estarai mantendo a vida do Lord. O Bardo realizou um explêndido discurso informando que restituía o sagrado símbolo da realiza de Impiltur em nome de Uliun e de toda a Narfell, para que a guerra fosse suspensa, entregando então a espada para o putrefato lord, o qual foi imediatamente aclamado Rei.

Durante a noite comemoram em uma taverna de Impiltur e graças à … digamos … falta de tato do nosso nobre paladino quase caótico, uma briga começou no bar, e depois de muito sangue espirrado e algumas flechadas do dono do bar, a luta acabou esvaindo-se, pouco antes da chegada da guarda. No dia seguinte os aventureiros ficaram sabendo da morte do Rei Behroun e que seu filho iria suceder ao trono. Os aventureiros resolveram seguir viagem, intencionados a destruir o Dragão Krionar, o qual há vários meses não é mais visto rondando o topo do monte Nar.

Utilizando os cavalos de viagem criados pelo mago, estavam atravessando a floresta da Madeira Parda (dunwood) quando o pequeno patrulheiro notou algumas árvores de casca acinzentada, e pelo que pode notar, estavam exatamente colocadas em um grande círculo. O mago lembrou-se um uma antiga lenda, conhecida ainda no outro plano, de uma floresta habitada por eladrin’s que havia sido tomada por hobgoblins, e que os eladrin’s realizaram um ritual para a destruição dos goblinoides, mas os eladrin’s acabaram transformando-se em árvores cinzentas. Procurando então pelo centro do círculo, os aventureiros acabaram encontrando um círculo de teleporte, o qual estava guardado por um Wendigo (demônio canibal) e seus aliados, animais atrozes que atendiam ao seu comando. Depois de destruírem os animais e diante da aparente fuga do Wendigo, os aventureiros passaram a analisar o círculo de teleporte, e depois de um resultado épico em um teste de arcana, ficaram aguardando até a próxima sessão para saber para onde leva o círculo.

P.S.: O Bárbaro ficou em Impiltur representando o Estado de Narfell durante os trabalhos fúnebres para o Rei. (já que o Leopoldo resolveu ir para Muzambinho/MG para pular carnaval, vê se pode? Preferir música alta, garotas altamente embriagadas e com pouca roupa a ficar em Sertãozinho tomando chuva e jogando rpg com os amigos)

Durante a sessão recebemos a visita do Marquinhos, vulgo “Encantado”, e do Anderson, vulgo “Polga”, os quais não tinham nada de melhor para fazer num sábado de carnaval do que presenciar o nosso louvado “CARNANERD”