Conto do último encontro – dia 22/04

Já faz tempo demais que estamos nas cavernas sob a Pedra Fendida. Tempo demais.

Kalahad guiou-nos pelos túneis úmidos e quentes em busca do dispositivo histórico que teria a capacidade de cerrar os túneis estratégicos, impedindo a passagem das hordas que vivem do outro lado das montanhas.

Raskaron chegou a cair em combate com um dragão negro e ardiloso, mas o espírito ceifador de almas cumpriu sua palavra trouxe o nosso comandante de volta ao mundo dos vivos.

Enfim chegamos ontem a uma construção anã e nos reanimamos novamente com as esperanças de que o dispositivo esteja protegido em algum lugar dentro dela. Após um rápido combate com alguns monstros que guardavam a entrada, e ainda após passarmos por uma sala com um golem de ferro e uma armadilha de dardos envenenados, nos aventuramos pelos corredores do lugar.

Rumando para o Leste, deparamo-nos com um templo de Moradin, então profanado por um grupo composto por alguns Corrompidos Enfurecidos e um Troll de Guerra. Os Corrompidos renderam-se como covardes logo após eu ter dilacerado a cabeça do Troll com minhas mãos quando notei a debilidade do monstro devido aos ataques de Erick, o ranger.

Com a fuga dos Corrompidos, vasculhamos o templo em busca de algo que nos fosse útil. Encontramos uma parede secreta que se abriu ao ativarmos um dispositivo nas estátuas. Do tesouro encontrado fiquei com o escudo de escamas de dragão.

Em minha forma de Sentinela da Terra, pude entrar em contato com os espíritos do local e fui investido de sabedoria antiga dos anões que, como eu, inspiram-se no poder da própria terra e das pedras para adquirirem força, resistência e determinação.

Dando sequêcia à exploração, rumamos ao Oeste, onde encontramos uma espécie de dormitório. Lá lutamos com vários Corrompidos, inclusive aqueles que haviam fugido de nós anteriormente, além de um ser assassino vindo do Pendor das Sombras. Após o longo combate encontramos um baú com quinze mil peças de ouro, bem como uma série de documentos com anotações, pelas quais deduzimos que alguém pagou para ter um exército de mais de mil shadar-kais e máquinas de guerra.

O combate foi extremo. Antes de triunfarmos chegamos muito próximos da derrota e por isso Drab e eu concordamos em não mais demonstrar misericórdia com esse tipo de criatura.

A urgência da situação nos motiva a continuar. Mas faremos isso após descansarmos: fizemos muitos combates e nossos recursos agora estão escassos demais para prosseguirmos.

Agora resta descobrirmos o que há atrás da porta do Norte, que tem um leão insculpido e, até o momento, não conseguimos abrir. Espero que encontremos logo a chave da porta e o mecanismo para impedir a passagem pelos túneis.

Conto do último encontro – 10/04/11

A LUTA CONTRA OS BÁRBAROS COMEÇOU

… então o combate começou com a bola de fogo do mago e em seguida os bárbaros cercaram os aventureiros e golpes e mais golpes foram dados por ambas as partes. Os poderes de cura do bardo e do paladino aos poucos foram se esvaindo, assim como os dos líderes dos bárbaros. Sangue foi derramado nas duas falanges em contenda e a vantagem da maioria numérica acabou prevalecendo, quando os aventureiros, pela primeira vez, acabaram sendo derrotados em campo de batalha, apesar de terem derrubado o maior e melhor do bárbaros. O Mago e o Patrulheiro, aproveitando-se da vantagem de estarem distantes do combate corpo-a-corpo, acabaram deixando o campo de batalha ao verem o bardo, o paladino e o bárbaro caírem graças aos golpes incessantes dos furiosos bárbaros que guardavam Guecumar.

Separados, o mago e o patrulheiro procurar por Uliun, na tribo Peltarch, onde narraram os fatos e o líder Uliun enviou um diplomata para negociar a soltura dos heróis de Narfell. O Paladino, o Bárbaro e o Bardo acabaram prisioneiros, somente sendo soltos graças a negociações e a promessa de que Peltarch ajudaria comercialmente a tribo Crell.

Reagrupados em Peltarch, os aventureiros tentam reanimarem-se após a derrota e resolvem então procurar pela destruição do Dragão Kryonar, partindo para o Monte Nar, habitat do Grande Dragão Branco.

 

Utilizando-se do mapa encontrado na Velha Peltarch, começam e explorar a caverna de Kryonar, onde acabam encontrado algumas criaturas feéricas, as quais  foram facilmente destruídas pelos aventureiros, apesar do cataclisma de um dos mísseis mágicos do mago ter errado o alvo.

Novamente com o sabor da vitória nos lábios, os aventureiros, revigorados de coragem, preparam-se para continuar a exploração.

Nerdcast RPG

Saudações companheiros, não sei se todos aqui escutam o Nerdcast ou estão acostumados com podcasts, mas eu estou sugerindo que escutem pelo menos esse que vos posto, é um Nerdcast especial em que eles jogam RPG por Skype enquanto gravam, é muito bom, extremamente recomendado.

Espero que gostem^^